Cidadania Italiana Diversos

Cidadania Italiana – Tudo o que você precisa saber

03 ago 2017

Ciao Italia!

Como eu sempre gostei de viajar, explorar, conhecer novas culturas, a Cidadania Italiana para mim seria interessante, pois me possibilitaria morar e trabalhar em outros países com maior facilidade.

Como bisneta de italiano, comecei a pensar nisso há mais de 15 anos, com minha tia, que foi a grande incentivadora, e iniciamos a “saga” da documentação. A parte mais legal foi poder voltar na história da minha família e conhecer como a italianada chegou no Brasil.

Meu bisavô nasceu na Itália, isso nós sabíamos, porém, o que ninguém sabia era onde ele tinha nascido (Acho que muita gente se identifica). Só tínhamos a certidão de casamento e óbito, e precisaria buscar a de nascimento.

Os documentos diziam que ele era de Lucca, na Toscana. Fizemos então, em 2002, cartas em italiano para todas as comunes de Lucca. Depois de meses esperando o retorno, recebemos feedback negativo de todas as comunes. Ele não havia nascido em nenhuma delas.

Por não encontrar os documentos, desanimamos um pouco da busca, pois não sabíamos o que fazer.

Na época, encontramos alguns documentos no memorial do Imigrante. Emitimos um documento de desembarque no Brasil, onde meu bisavô desembarcou com 6 anos de idade, junto com seus pais e irmãos.

Certidão de Desembarque

Foi bem legal ver esse documento e conhecer um pouco mais. Lembro que na época não fazíamos ideia de qual deles era meu bisavô, pois ele se chama Júlio. Anos depois descobrimos que o nome dele era Agostino Giulio Giuseppe Melosi! Bravo!

Os italianos quando chegavam no Brasil, geralmente mudavam de nome, de sobrenome e com escritas diferentes. Obviamente, eles estavam em outro país, então foram “abrasileirados”. Por sorte, meu bisavô não teve muitas mudanças, ele ficou como Julio Melosi.

Anos se passaram e as esperanças diminuíam, mas tudo mudou quando em 2015 fui pela primeira vez à Itália.

Alegria de estar na Itália

Me encontrei tão fundo nesse país, me apaixonei pelo clima, pela comida, pelo ambiente romântico e voltei decidida a tirar a cidadania e quem sabe um dia morar lá.

Procurei na internet algumas pessoas que faziam busca de documentos na Itália e encontrei e Luciana Baroni. acabei fechando com ela e deu certo. Depois de alguns meses de busca a certidão foi encontrada.

Entenda porque não estávamos encontrando
No ano de 1901, a cidade que meu bisavô nasceu fazia parte de Lucca. No ano de 2002, quando iniciamos as buscas, essa cidade não pertencia mais a Lucca. Então quando procurei por todas as comunes de Lucca, a cidade dele não estava.

Ele nasceu em uma cidade chamada Montecatini Therme, uma cidade famosa por seus hotéis de águas termais, que eu tive a oportunidade de conhecer em Junho desse ano.

Com a certidão de Nascimento em mãos, fomos procurar os outros documentos.
Mas então, quais documentos são necessários?
São necessários dos documentos: nascimento, casamento e óbito (a quem se aplicar), do italiano até chegar em você.
Esses documentos devem estar em inteiro teor, ou seja, um documento extraído do livro de registro que reproduz todas as palavras nele contidas, traduzido juramentado e apostilado (apostila de Haia).

E Como faz tudo isso?
Não é tão difícil, vamos lá:
1) Inteiro Teor
Você deve entrar em contato em todos os cartórios dos documentos emitidos no Brasil, e solicitar em inteiro teor (custou em torno de R$ 150,00 cada documento);
2) Tradução Juramentada
Você deve procurar um tradutor juramentado para traduzir todos os seus documentos. Geralmente eles passam o orçamento por laudas e o preço é meio tabelado.
3) Apostila de Haia
Alguns cartórios vão “reconhecer” essa documentação, para que ela tenha validade na Itália.

(O serviço dos 2 últimos tópicos eu fiz com a Luciana Baroni)

Você também vai precisar da negativa de naturalização, que o governo disponibiliza aqui.
A negativa de naturalização serve para comprovar que o Italiano não foi naturalizado brasileiro e ela também deve ser traduzida juramentada e estar apostilada. Eu demorei quase 1 ano para juntar todos esses documentos.

Com os documentos em mãos, parti para a Itália. Tenho uma assessora, conhecida da família que mora lá e fez o meu processo. Fiz numa comune bem pequena, para não demorar tanto.
(Você pode fazer aqui no Brasil junto ao consulado, processo que demora cerca de 12 anos aqui em São Paulo).

Logo que cheguei fui emitir o Código Fiscal, que é o CPF do Italiano.
Com o código fiscal dei entrada no processo de residência, na polícia. Depois de 2 semanas o fiscal passou para verificar se eu estava realmente na Itália.
Assim que o fiscal passou, demos entrada na Cidadania junto à Comune.

Quando a Comune recebe o processo, eles analisam e entram em contato com o consulado brasileiro para saber se o Italiano não foi naturalizado, onde é feita uma nova busca. O Consulado demora em média 45 dias para responder.
Caso a resposta seja negativa de naturalização, pode comemorar, pois sua cidadania está pronta!

Próximo passo é emitir o Passaporte.

Tentei fazer um resumo simplificado do processo para ajudar todo mundo que precisa. Tive muitas dúvidas e muitas pessoas me ajudaram. Gostaria de retribuir. Se tiverem perguntas podem deixar aqui nos comentários.
Criei também um grupo no Face, onde podemos falar melhor sobre a cidadania e sobre viagens, é claro!

https://www.facebook.com/groups/gotraveling/

Processos e documentos no Brasil
http://www.baronicidadaniaitaliana.com.br/

Assessoria na Itália
Ela não está pegando processo, mas procurem referências e façam com alguém de confiança.

Comente via Facebook
Deixe seu Comentário
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui

2 Comentários
  1. 05/08/17 - 05h48

    Amiga, o codigo fiscal NAO è o RG brasileiro…….. è o CPF brasileiro…….

  2. 05/08/17 - 05h55

    outra coisa…. nao pode falar que vc depois do vigile foi embora para o Brasil…evite de falar disto…. nao pode sair “officialmente” da Italia…..a residencia è moradia. pode acabar o processo de cidadania…..

Topo
Top Posts