América do Sul Brasil Destinos Fernando de Noronha

Noronha sem roteiro

19 set 2017

Acabei de voltar de Noronha e estou louca de vontade de compartilhar um pouco sobre essa viagem incrível.
É um pouco contraditório o nome desse post ser “Noronha sem roteiro” em um site onde ajudamos as pessoas a organizar suas viagens.

Sempre gostei muito de planejar tudo, e antes de embarcar para Noronha consultei alguns moradores do lugar e alguns amigos que já foram, para tentar criar meu roteiro. Tinha em mente alguns lugares que gostaria de ir, mas acabei deixando para decidir tudo ao chegar.

Chegando lá, fui recebida carinhosamente no aeroporto pelo Pedrinho e em seguida fomos almoçar na Pousada Zé Maria. No meio do almoço, o Zé Maria disse uma coisa que marcou a viagem inteira. Ele disse que não somos nós quem escolhemos Noronha, e sim, que Noronha é quem escolhe a gente. No final da viagem isso passou a fazer total sentido.

Noronha recebe muitos turistas, muitas pessoas, mas conectar-se com Noronha não acontece com todo mundo. Noronha é um paraíso, porém, um lugar simples, cheio de pessoas felizes e do bem, com uma natureza selvagem que me faltam adjetivos para descrever. Tem uma energia impressionante e aquela paz que você só encontra em poucos lugares. Vou escrever aqui tudo que eu fiz, deixando os roteiros acontecerem naturalmente, sem me programar e respeitando as condições climáticas de cada dia.

Depois do almoço, Pedrinho me levou para a praia da Conceição, que é uma praia perto do centrinho e é mais agitada que as outras. Depois fomos ao bar do meio para o pôr do sol.

O bar do meio é um bar pé na areia bem legal e badalado, com música e um maravilhoso pôr do sol. Eu nem preciso falar muito, pois sou apaixonada pelo pôr do sol, então, veja essas fotos e tire suas próprias conclusões.

No jantar, fomos para a pousada do Zé Maria, onde aos domingos rola festival de frutos do mar. Durante toda a semana tem eventos gastronômicos na pousada. A comida é uma delícia, vale muita a pena conhecer.
Lá você se serve com frutos do mar frescos e vai para a bancada escolher como quer seu prato: risoto, massa, enfim, você customiza.
Eu fui de camarão (que amo) lula, polvo e escolhi fazer como risoto. Estava muito bom.

Após o jantar fomos para o samba, no Steak House. Os lugares lá são simples, não tem balada, são apenas bares com música ao vivo. A galera tem uma energia muito boa e a diversão é garantida! Tudo termina bem cedo, para que as pessoas aproveitem bem o dia seguinte.

No 2º dia, ainda sem programação, tive a companhia de um amigo, o Gustavo, e mais 2 gurias do sul. Primeiro fomos conhecer a praia Cacimba do Padre e depois a Praia do Sancho (aquela maravilha que virou o cartão postal de Noronha e é a foto de capa deste post).

A Cacimba é MARAVILHOSA, é mais vazia e muito charmosa, e a área onde fica a praia do Sancho e o Morro 2 irmãos é realmente uma pintura. É aquele lugar que te deixa de boca aberta, sabe? É lindo demais!

Praia Cacimba do Padre

Praia Cacimba do Padre

Praia Cacimba do Padre

Praia Cacimba do Padre

Praia do Sancho

Morro 2 irmãos

Morro 2 irmãos

Praia do Sancho

Praia do Sancho

Praia do Sancho

Praia do Sancho

Mergulho no Sancho
Ao descer para a praia do Sancho, fizemos snorkel naquela água cristalina e cheia de peixinhos.

Tentamos acompanhar o pôr do sol no mirante do Boldró, mas não tivemos a mesma sorte do dia anterior.
Para voltar pegamos uma carona (andamos muito de carona em Noronha). Lá, ou você aluga um buggy, anda a pé, ou de ônibus.

Paramos no centrinho e aproveitamos para jantar no restaurante Xica da Silva, que foi indicado por uma amiga.
A comida lá é bem gostosa e o arroz com abóbora é de comer rezando. Meu prato foi um camarão com coco e arroz com abóbora.

Restaurante Xica da Silva

Nessa mesma noite teve festa no bar do cachorro, mas eu decidi ir dormir. Choveu bastante nessa madrugada e o dia seguinte amanheceu chovendo. Preferi recuperar as energias.

Na manhã seguinte, decidimos conhecer a Baia dos Porcos, na minha opinião, a praia mais bonita. É uma praia bem exótica. Ficamos um tempo e depois voltou a chover muito. A baía dos porcos é tão linda, que nem a chuva atrapalhou.

Baia dos porcos

Baia dos porcos

Baia dos porcos

Baia dos porcos

Baia dos porcos

Baia dos porcos

Baia dos porcos

Fomos jantar no restaurante Cacimba, que fica no centro (Na minha opinião, o melhor restaurante da ilha). Tem uma salada com frutas vermelhas e camarão que é DIVINA, sem contar no pastel de lagosta.

Restaurante Cacimba

Restaurante Cacimba

Restaurante Cacimba

Depois do jantar, fomos em um bar onde conheci uma galera bem legal! Salve Noronhe-se Swell! Aliás, escutava a palavras swell toda hora. “Vai entrar swell”, “vai ficar ruim para mergulhar”, “Não entrou swell”.
Swell é uma ondulação no mar contínua e sem ruídos, ideal para a prática do Surf. Na tradução literal do inglês para o português, o verbo swell significa inchar ou crescer. É quando o mar fica “bravo” e mais difícil para mergulho.

Mais tarde fomos para o Steak House, onde rolou um pouco mais de samba, com a galera super animada. Ficamos até altas horas e depois ainda fomos para a capelinha esperar pelo nascer do sol, que renderam ótimas fotos.

Nascer do sol na capelinha

Nascer do sol na capelinha


No dia seguinte, decidi fazer a travessia, entre o porto e a praia do cachorro, de snorkel. Foram alguns kilômetros em alto mar, e pude nadar com tartaruga marinha, peixinhos e tubarão, SIM um tubarãozinho. Fiquei aterrorizada, mas depois passou. Vale dizer que tudo deve ser feito com um guia de confiança e bem treinado. Quem estiver indo para Noronha, eu deixo o contato do Sylvio, que é muito atencioso, experiente e me deixou confiante em todos os momentos.
O mergulho lavou a alma, isso é uma coisa que todo mundo que vai para Noronha TEM QUE FAZER!






Pit stop no meio do mergulho

Porto

Depois do mergulho, fui para a praia do Boldró curtir o visual e aproveitar as fotos maravilhosas que o melhor guia de Noronha, o Sylvio, faz.
Tive a experiência de alimentar uma Fragata com sardinha, que foi incrível!

Praia do Boldró

Praia do Boldró

Nessa mesma noite fomos jantar no Varanda e experimentar a famosa moqueca.

Moqueca de comer rezando!

O dia seguinte foi meu último dia em Noronha. Eu acordei tranquila e fiquei na praia do meio, uma praia mais deserta, curtindo a minha companhia e tomando banho de mar (que parecia banho de piscina de tão cristalina e sem ondas), para me despedir de Noronha.
Fui almoçar no Cacimba (repeti esse restaurante) e pedi um espaguete de frutos do mar de comer rezando #2.

Praia do Meio

Praia do Meio

Praia do Meio

Massa com frutos do mar no restaurante Cacimba

Enfim, me despedi de Noronha com gostinho de quero mais e com a certeza que quero voltar pra lá algum dia (E olha que eu não gosto muito de repetir destinos).
Aqui todos os meus agradecimentos e contatos das pessoas que vão transformar seu sonho de conhecer Noronha em realidade.

Onde ficar
Noronha Pousadas, as melhores opções de pousadas em Fernando de Noronha.
(81) 3426.8398/ 98354.8548
www.noronhapousadas.com.br
Instagram: @noronhapousadas

Pousada Verdes Mares

Pousada Verdes Mares

Pousada Verdes Mares

Pousada Verdes Mares

Guia Turístico
Sylvio
Whatsapp: (81) 99666.0665
Instagram: @noronhabysilvio

Restaurantes
Cacimba Bistro
Xica da Silva
Zé Maria
Varanda

Bares
Steak House, Bar do Cachorro, Bar do Meio

Não deixe de me seguir no instagram: @gotravelingbrasil e @alinemelosi
Beijos

Comente via Facebook
Deixe seu Comentário
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui

Topo
Top Posts